A arma sônica cubana não era uma arma afinal

Após investigar o caso, Cuba parece ter descoberto a causa dos “ataques sônicos”.

Este incidente, que ocorreu no início do mês, provavelmente será considerado o fiasco diplomático mais ridículo de todos os tempos.

O presidente Trump expulsou nesta terça-feira 15 diplomatas cubanos por causa de uma aflição misteriosa que atingiu a equipe da embaixada dos EUA em Havana. Sua reação lançou um calafrio de Guerra Fria sobre as relações entre os dois países.

Desde dezembro passado, diplomatas americanos e seus cônjuges queixaram-se de problemas de saúde como perda de audição, tonturas, problemas de equilíbrio e visão, dores de cabeça e problemas cognitivos. No final de janeiro, o Departamento de Estado chegou à conclusão de que esses sintomas estavam inter-relacionados e provavelmente resultaram de algum tipo de ataque, talvez de um dispositivo sônico, toxina ou um vírus.

Diplomatas americanos ouviram ruídos estranhos à noite em algumas partes da embaixada e em algumas casas. Esses rumores levaram alarmes enormes e espantosas especulações sobre sua origem, desde gigantescas armas de infra-som até intoxicação alimentar. Mas nenhuma explicação técnica ou médica foi encontrada. O Departamento de Estado descreveu o ruído como “ataques específicos” contra seus diplomatas. Pelo menos 21 pessoas foram afetadas e metade da equipe dos EUA em Havana foi repatriada. Diplomatas cubanos foram expulsos dos Estados Unidos

Os registros do som misterioso foram transmitidos para a Associated Press. A agência escreveu:

“Parece o som de uma massa de grilos. Um grito estridente, mas do quê?

O som parecia ser um toque de comprimentos variados – sete segundos, 12 segundos, dois segundos – com períodos sustentados de vários minutos ou mais. Depois, haveria silêncio de um, ou 13, ou quatro segundos, antes de o som recomeçar abruptamente”.

Uma investigação cubana encontrou a resposta óbvia à pergunta da AP: “Mas de onde vem esse ruído?”

“De GRILOS”

arma-sonica-cuba-2

Funcionários do Ministério do Interior cubano disseram que os investigadores dos EUA lhes enviaram três gravações feitas por supostas vítimas de ataques sonoros e que a análise de som mostrou que eles eram semelhantes aos de grilos e cigarras que vivem na costa norte de Cuba.

“É a mesma largura de banda e é audivelmente muito similar”, disse o tenente-coronel Juan Carlos Molina, especialista em telecomunicações do Ministério do Interior. “Nós comparamos os espectros de sons e este som comum é, obviamente, muito semelhante ao som de uma cigarra.”

A intensidade do canto da cigarra pode chegar a 100 decibéis, forte o suficiente para causar problemas de saúde. Os diplomatas americanos em Cuba foram “atacados” por cigarras cubanas que fizeram barulho suficiente para causar desconforto ou mesmo sintomas de doença. Às vezes, tenho que sofrer com as cigarras cantando quando viajo para o exterior, e posso confirmar que o ruído que fazem durante a noite pode ser extremamente irritante para quem não está acostumado.

Mas como é que o Departamento de Estado não sabia disso? Por que os diplomatas não reconheceram o barulho? No entanto, existem cigarras e grilos nos estados do sul dos Estados Unidos.

É justo dizer que alguns membros da CIA e do Departamento de Estado não querem que as relações com Cuba melhorem. Eles resistiram à reabertura da embaixada em 2016. É possível que eles usassem os “ataques” das cigarras para sabotar as relações.

Seja como for, este caso ridiculariza completamente o Departamento de Estado dos EUA. Imagine todas as piadas de “grilos” que circularão entre diplomatas de outros países à custa de seus colegas americanos.

Os poderosos Estados Unidos foram derrotados! Seus diplomatas fugiram em pânico! … por causa de … grilos …

Artigo original de Moon of Alabama

Comente!